CHEGOU O MOMENTO DA PRÉ-HABILITAÇÃO COMUNITÁRIA E DOMICILIAR: NARRATIVA DE UM PROCESSO DE IMPLEMENTAÇÃO

  • Patrícia Lages Serviço de Cirurgia Geral, Hospital Garcia de Orta E.P.E., Almada, Portugal; Faculdade de Medicina, Universidade de Lisboa, Portugal; Team-leader http://orcid.org/0000-0003-3868-5685
  • Gabriel Oliveira Serviço de Cirurgia Geral, Hospital Garcia de Orta E.P.E., Almada, Portugal http://orcid.org/0000-0002-1631-8043
  • Joana Simões Serviço de Cirurgia Geral, Hospital Garcia de Orta E.P.E., Almada, Portugal; NIHR Global Health Research Unit for Global Surgery, University of Birmingham, UK
  • Paulo Matos Costa Serviço de Cirurgia Geral, Hospital Garcia de Orta E.P.E., Almada, Portugal; Faculdade de Medicina, Universidade de Lisboa, Portugal; Director de Serviço, Prof. Catedrático http://orcid.org/0000-0002-7550-8285

Resumo




Ainda que geralmente em modelos estocásticos, a optimização das condições clínicas dos doentes, para os preparar para a cirurgia, foi desde sempre pretendida pelos cirurgiões. A criação de um programa sistemático de pré-habilitação deve ter em consideração os doentes e as suas circunstâncias. Para garantir o sucesso, os programas devem ser personalizados (centrados no doente) e ter como objetivos garantir o apoio regular aos doentes, bem como o contato fácil e eficaz com os profissionais de saúde. Neste pressuposto, foi planeada uma clínica com duas “plataformas” interligadas, uma com base em instalações hospitalares e a outra na medicina comunitária, sendo simples e eficiente o contacto entre os especialistas em saúde, e com o doente e seus familiares. Esta ampla gama de “léxicos” e sistemas de comunicação será incorporada e operacionalizada em sistemas simples e acessíveis. A orientação e gestão deste projeto é um processo exigente e contínuo. O objetivo deste artigo é narrar o como, e o porquê, de estarmos a criar uma clínica de pré-habilitação, personalizada, baseada na comunidade e no domicílio. Pretendemos, também, fazer uma reflexão sobre este “processo de mudança”, que visa atingir necessidades percebidas pelos “interlocutores” e pelos “actores” da mudança, integrando-os precocemente no processo de construção e implementação do projeto.




Downloads

Dados de Download não estão ainda disponíveis.

Referências

1. Mennin SP & Kaufman A. The Change Process and Medical Education. Medical Teacher. 1989; 11:1, 9-16.

2. Durrand J. SSJ, Danjoux G. Prehabilitation. Clinical Medicine – Perioperative Care. 2019; Vol 19, 6:458-64.

3. Minnella EM, Loiselle S, Agnihotram RV, Ferri LE, Carli F. Effect of Exercise and Nutrition Prehabilitation on Functional Capacity in Esophagogastric Cancer Surgery: A Randomized Clinical Trial. JAMA Surg. 2018; 153(12):1081–1089.

4. Carli F. Prehabilitation for the Anesthesiologist. Anesthesiology. 2020; 133:645–652.

5. Berkel AEM BB, Kotte H., Weltevreden P., Jongh FHC, et.al. Effects of Community-based Exercise Prehabilitation for Patients Scheduled for Colorectal Surgery with High Risk for Postoperative Complications: Results of a Randomized Clinical Trial. Ann Surg. 2021.

6. Hijazi Y. GU, Aziz O. A systematic review of prehabilitation programs in abdominal cancer surgery. Int J Surgery. 2017; 39, 156-162.

7. Molenaar et al. Prehabilitation, making patients fit for surgery – a new frontier in perioperative care. Innov Surg Sci. 2019; 4(4): 132–138.

8. Carli F., Baldini G.; Feldman L.S., Redesigning the Preoperative Clinic. From Risk Stratification to Risk Modification. JAMA Surg. 2020.

9. Fernandes ADV, Moreira-Gonçalves D, Come J, Rosa NC, Costa V, Lopes LV, da Costa PM, Santos LL. Prehabilitation program for African sub-Saharan surgical patients is an unmet need. Pan Afr Med J. 2020 Jun 3;36:62. doi: 10.11604/pamj.2020.36.62.21203. PMID: 32754289; PMCID: PMC7380873.

10. Lewin K. Field Theory in Social Science. Harper and Row, New York. 1951.

11. Plant R. Managing Change and Making It Stick. Harper Collins Publishers, London. 1995.

12. Fernandes A., Rodrigues J., Antunes L., Lages P., Santos C., Gonçalves D., Costa R., Sousa J., Dinis-Ribeiro M., Lara Santos L. Development of a preoperative risk score on admission in surgical intermediate care unit in gastrointestinal cancer surgery. Perioperative Medicine (2020) 9:23.

13. Nolan T. Accelerating the Pace of Improvement – An Interview with Thomas Nolan. Interview by Steven Berman. Journal of Quality Improvement. 1997; 23(4):217-22.
Publicado
2022-02-03
Como Citar
LAGES, Patrícia et al. CHEGOU O MOMENTO DA PRÉ-HABILITAÇÃO COMUNITÁRIA E DOMICILIAR: NARRATIVA DE UM PROCESSO DE IMPLEMENTAÇÃO. Revista Portuguesa de Cirurgia, [S.l.], n. 51, p. 115-123, feb. 2022. ISSN 2183-1165. Disponível em: <https://revista.spcir.com/index.php/spcir/article/view/937>. Acesso em: 26 june 2022. doi: https://doi.org/10.34635/rpc.937.
Secção
Artigos Originais