Prevalência do Síndrome de Frey após Parotidectomia

  • André Goulart Interno de Formação Específica de Cirurgia Geral do Hospital de Braga - SERVIÇO CIRURGIA – HOSPITAL DE BRAGA (PORTUGAL)
  • Virgínia Soares Assistente Hospitalar Graduado de Cirurgia Geral do Hospital de Braga - SERVIÇO CIRURGIA – HOSPITAL DE BRAGA (PORTUGAL)
  • Pedro Koch Responsável pela Unidade de Cabeça e Pescoço - SERVIÇO CIRURGIA – HOSPITAL DE BRAGA (PORTUGAL)

Resumo

Introdução: O Síndrome de Frey caracteriza-se pela sensação de calor, eritema e sudorese da face no território da glândula parótida. A prevalência deste síndrome é altamente variável.

Métodos: Foram seleccionados para este estudo 33 doentes submetidos a parotidectomia superficial. Aos doentes convocados, foi realizada uma entrevista clínica e aplicado o teste de Minor para avaliação objectiva do Síndrome de Frey. A gravidade do Síndrome de Frey foi determinada de acordo com o modelo desenhado por Luna-Ortiz e por uma escala numérica contínua de 0-10.

Resultados: Dos 33 doentes convocados, compareceram para avaliação no Hospital de Braga 27 doentes (81,8%). Dos sete doentes que referiam sudação, apenas um referiu essa sudação como excessiva classificando-a como “6” na escala de 0-10, sendo que os restantes classificaram-na como “1”, “2” ou “3”. O teste de Minor foi positivo em sete doentes, um dos quais não tinha referido manifestações clínicas. De acordo com o modelo da gravidade da cirurgia desenhado por Luna-Ortiz, três doentes (42,2%) apresentaram Síndrome de Frey moderado e quatro doentes (57,1%) Síndrome de Frey grave.

Conclusões: A incidência deste síndrome objectivável pelo teste de Minor no nosso centro é similar ao descrito na literatura (26,2%).

Palavras-chave: Síndrome de Frey, Glândula Parótida 

Downloads

Dados de Download não estão ainda disponíveis.
Como Citar
GOULART, André; SOARES, Virgínia; KOCH, Pedro. Prevalência do Síndrome de Frey após Parotidectomia. Revista Portuguesa de Cirurgia, [S.l.], n. 24, p. 29-35, mar. 2013. ISSN 2183-1165. Disponível em: <https://revista.spcir.com/index.php/spcir/article/view/5>. Acesso em: 11 nov. 2019.
Secção
Artigos Originais