OBSTRUÇÃO À DRENAGEM GÁSTRICA POR INGESTÃO DE CÁUSTICO: UM CASO DE TRATAMENTO CIRÚRGICO DEFINITIVO PRECOCE

  • João Luís Pinheiro Serviço de Cirurgia Geral, Centro Hospitalar Tondela - Viseu, Portugal http://orcid.org/0000-0002-1942-8512
  • José Pereira Pinto Serviço de Cirurgia Geral, Centro Hospitalar Tondela - Viseu, Portugal http://orcid.org/0000-0002-1868-360X
  • Marta Ferreira Serviço de Cirurgia Geral, Centro Hospitalar Tondela - Viseu, Portugal; Cirurgia Esofagogastroduodenal, Centro Hospitalar Tondela - Viseu, Portugal http://orcid.org/0000-0001-7161-4286
  • Luis Filipe Pinheiro Serviço de Cirurgia Geral, Centro Hospitalar Tondela - Viseu, Portugal; Cirurgia Esofagogastroduodenal, Centro Hospitalar Tondela - Viseu, Portugal http://orcid.org/0000-0002-8367-2798
  • Conceição Marques Serviço de Cirurgia Geral, Centro Hospitalar Tondela - Viseu, Portugal; Cirurgia Esofagogastroduodenal, Centro Hospitalar Tondela - Viseu, Portugal
  • Carlos Casimiro Serviço de Cirurgia Geral, Centro Hospitalar Tondela - Viseu, Portugal

Resumo

Introdução: A ingestão de produtos cáusticos representa um desafio terapêutico para várias especialidades por permanecer uma entidade rara nos serviços de urgência.


Apresentação do Caso: Um doente do sexo masculino, com 58 anos de idade deu entrada na sala de emergência após ingestão de ácido clorídrico. Posteriormente, desenvolveu uma estenose pré-pilórica que foi submetida a dilatação endoscópica, sem sucesso. O doente foi submetido a uma gastrectomia subtotal por via aberta após 4 semanas, que decorreu sem complicações e melhoria clinica significativa no pós-operatório.


Discussão: A obstrução à drenagem gástrica ocorre sobretudo na região pré-pilórica. Uma abordagem cirúrgica é considerada uma opção eficaz após a fase inflamatória, e pode também ser executada de forma segura precocemente quando necessário, devendo ser o tipo de resseção adaptado à extensão das lesões.


Conclusão: A resseção gástrica representa uma alternativa segura precocemente após o início da fase inflamatória e permite um adequado controlo sintomático. Cáusticos na forma líquida afetam principalmente em zonas de acumulação, sendo o antro gástrico uma área onde as lesões cáusticas são frequentes.

Downloads

Dados de Download não estão ainda disponíveis.

Biografia Autor

Marta Ferreira, Serviço de Cirurgia Geral, Centro Hospitalar Tondela - Viseu, Portugal; Cirurgia Esofagogastroduodenal, Centro Hospitalar Tondela - Viseu, Portugal
 

Referências

1. M. Chirica, L. Bonavina, M.D. Kelly, E. Sarfati, P. Cattan, Review Caustic ingestion, Lancet. 389 (2017) 2041–2052. doi:10.1016/ S0140-6736(16)30313-0.

2. K.S. Park, Evaluation and management of caustic injuries from ingestion of acid or alkaline substances, Clin. Endosc. 47 (2014) 301–307. doi:10.5946/ce.2014.47.4.301.

3. M.U. Hashmi, M. Ali, K. Ullah, A. Aleem, I.H. Khan, Clinico-epidemiological Characteristics of Corrosive Ingestion: A Cross- sectional Study at a Tertiary Care Hospital of Multan, South-Punjab Pakistan, Cureus. 10 (2018). doi:10.7759/cureus.2704.

4. S. Contini, C. Scarpignato, Caustic injury of the upper gastrointestinal tract : A comprehensive review, 19 (2013) 3918–3930. doi:10.3748/wjg.v19.i25.3918.

5. X. Chen, B. Huang, H.-W. Wan, Epidemiologic Features and Outcomes of Caustic Inges- tions; a 10-Year Cross-Sectional Study, Chinese J. Tissue Eng. Res. 17 (2013) 5705–5710. doi:10.3969/j.issn.2095-4344.2013.31.020.

6. B.L. Meena, K.S. Narayan, G. Goyal, S. Sultania, S. Nijhawan, Corrosive Injuries of the Upper Gastrointestinal Tract, J. Dig. Endosc. 8 (2017) 81–82. doi:10.4103/jde.JDE.

7. A.I. Vezakis, E. V. Pantiora, E.A. Kontis, V. Sakellariou, D. Theodorou, G. Gkiokas, A.A. Polydorou, G.P. Fragulidis, Clinical spectrum and management of caustic ingestion: A case series presenting three opposing outcomes, Am. J. Case Rep. 17 (2016) 340–346. doi:10.12659/AJCR.897778.

8. D.D. Gummin, J.B. Mowry, D.A. Spyker, D.E. Brooks, K.M. Osterthaler, W. Banner, 2017 Annual Report of the American Association of Poison Control Centers ’ National Poison Data System ( NPDS ): 35th Annual Report, (2018).

9. Y. Kluger, O. Ben Ishay, M. Sartelli, A. Katz, L. Ansaloni, C.A. Gomez, W. Biffl, F. Catena, G.P. Fraga, S. Di Saverio, A. Goran, W. Ghnnam, J. Kashuk, Caustic ingestion management : world society of emergency surgery preliminary survey of expert opinion, World J. Emerg. Surg. (2015) 1–8. doi:10.1186/s13017-015-0043-4.

10. A. Methasate, V. Lohsiriwat, Role of endoscopy in caustic injury of the esophagus, World Journal of Gastrointestinal endoscopy, 9 (2018) 157–164. doi:10.5321/wjs.v2.i3.40.

11. CE McAuley, DL Steed, MW Webster. Late sequelae of gastric acid injury. Am J Surg. 1985 Mar;149(3):412-5. doi: 10.1016/ s0002-9610(85)80121-5.

12. H Eaton, GE Tennekoon. Squamous carcinoma of the stomach following corrosive acid burns. Br J Surg. 1972 May;59(5):382-7. doi: 10.1002/bjs.1800590514.
Publicado
2022-12-09
Como Citar
PINHEIRO, João Luís et al. OBSTRUÇÃO À DRENAGEM GÁSTRICA POR INGESTÃO DE CÁUSTICO: UM CASO DE TRATAMENTO CIRÚRGICO DEFINITIVO PRECOCE. Revista Portuguesa de Cirurgia, [S.l.], n. 53, p. 87-91, dec. 2022. ISSN 2183-1165. Disponível em: <https://revista.spcir.com/index.php/spcir/article/view/848>. Acesso em: 08 feb. 2023. doi: https://doi.org/10.34635/rpc.848.
Secção
Caso Clínico