Apendagite epiplóica - diagnóstico diferencial de apendicite aguda

  • Diogo Sousa Unidade Local de Saúde do Litoral Alentejano - Serviço de Cirurgia
  • Andreia Ferreira Unidade Local de Saúde do Litoral Alentejano - Serviço de Cirurgia
  • Ana Cruz Unidade Local de Saúde do Litoral Alentejano - Serviço de Cirurgia
  • Diogo Marinho Unidade Local de Saúde do Litoral Alentejano - Serviço de Cirurgia
  • André Mateus Unidade Local de Saúde do Litoral Alentejano - Serviço de Cirurgia
  • Miguel Allen Unidade Local de Saúde do Litoral Alentejano - Serviço de Cirurgia
  • José Augusto Martins Unidade Local de Saúde do Litoral Alentejano - Serviço de Cirurgia

Resumo

Introdução: A apendagite epiplóica é uma entidade rara, autolimitada, que consiste na inflamação de um apêndice epiplóico por contiguidade ou por enfarte isquémico. A sua apresentação clínica mimetiza as manifestações de outras patologias como a apendicite e diverticulite agudas, devendo ser considerada no diagnóstico diferencial de dor abdominal localizada.

Caso Clínico: Apresentamos o caso de um doente do sexo masculino, 34 anos, com dor abdominal localizada na fossa ilíaca direita (FID), sem defesa, esboçando sinal de Blumberg. Analiticamente sem elevação dos parâmetros de inflamação ou infecção. Foi submetido a laparoscopia exploradora, tendo-se verificado existência de dolicosigmóide e trombose de apêndice epiplóico sigmoideu aderente ao peritoneu parietal da FID, que foi excisado. O doente teve alta no primeiro dia pós-operatório, sem complicações.

Conclusão: A apendagite epiplóica é uma patologia autolimitada, que deve ser considerada no diagnóstico diferencial de dor abdominal localizada.

Downloads

Dados de Download não estão ainda disponíveis.

Biografias Autor

Diogo Sousa, Unidade Local de Saúde do Litoral Alentejano - Serviço de Cirurgia

 Interno do Internato Complementar de Cirurgia Geral

Andreia Ferreira, Unidade Local de Saúde do Litoral Alentejano - Serviço de Cirurgia

 Interno do Internato Complementar de Cirurgia Geral

Ana Cruz, Unidade Local de Saúde do Litoral Alentejano - Serviço de Cirurgia

 Interno do Internato Complementar de Cirurgia Geral

Diogo Marinho, Unidade Local de Saúde do Litoral Alentejano - Serviço de Cirurgia

 Interno do Internato Complementar de Cirurgia Geral

André Mateus, Unidade Local de Saúde do Litoral Alentejano - Serviço de Cirurgia

 Assistente Hospitalar de Cirurgia Geral

Miguel Allen, Unidade Local de Saúde do Litoral Alentejano - Serviço de Cirurgia

 Assistente Hospitalar de Cirurgia Geral

José Augusto Martins, Unidade Local de Saúde do Litoral Alentejano - Serviço de Cirurgia

 Assistente Hospitalar Graduado de Cirurgia Geral

Referências

Hiller N, Berelowitz D, Halpern I. Primary Epiploic Appendagitis: Clinical and Radiological Manifestations in Israel Medical Association
Journal. 2000; 2: 896-898

Choi Y, Choi P, Park Y, et al. Clinical Characteristics of Primary Epiploic Appendagitis in Journal of the Korean Society of Coloproctology.
2011; 27(3): 114-121

Levret N, Mokred K, Quevedo E, Barret F, Pouliquen X. Les Appendicites Épiploïques Primitives in J Radiol. 1998; 79: 667-671

Chen J, Wu C, Wu P. Epiploic appendagitis: An uncommon and easily misdiagnosed disease in Journal of Digestive Diseases 2011; 12:
448-452

Thomas JH, Rosato FE, Patterson LT. Epiploic appendagitis in Surg Gynecol Obstet 1974; 138: 23-5
Publicado
2016-03-30
Como Citar
SOUSA, Diogo et al. Apendagite epiplóica - diagnóstico diferencial de apendicite aguda. Revista Portuguesa de Cirurgia, [S.l.], n. 36, p. 29-32, mar. 2016. ISSN 2183-1165. Disponível em: <https://revista.spcir.com/index.php/spcir/article/view/446>. Acesso em: 13 nov. 2019.
Secção
Caso Clínico