Hiperparatireoidismo – um diagnóstico não pensado

  • João Capela Costa Unidade de Cirurgia Endócrina e Mama. Serviço de Cirurgia Geral. Hospital de São João, Portugal
  • Pedro Sá Couto Unidade de Cirurgia Endócrina e Mama. Serviço de Cirurgia Geral. Hospital de São João, Portugal
  • Filomena Valente Unidade de Cirurgia Endócrina e Mama. Serviço de Cirurgia Geral. Hospital de São João, Portugal
  • Susy Costa Unidade de Cirurgia Endócrina e Mama. Serviço de Cirurgia Geral. Hospital de São João, Portugal
  • Tiago Pimenta Unidade de Cirurgia Endócrina e Mama. Serviço de Cirurgia Geral. Hospital de São João, Portugal
  • Matos Lima Unidade de Cirurgia Endócrina e Mama. Serviço de Cirurgia Geral. Hospital de São João, Portugal
  • Cardoso de Oliveira Unidade de Cirurgia Endócrina e Mama. Serviço de Cirurgia Geral. Hospital de São João, Portugal

Resumo

O hiperparatireoidismo primário (HPT1) tem uma prevalência entre 1:300 e 1:2000 na população. No entanto mais de 90 % dos casos não são diagnosticados. A definição de HPT1 assintomático é controversa uma vez que os doentes na sua maioria apresentam algum tipo de sintomatologia. Os doseamentos de cálcio são muito importantes na detecção de doentes pouco sintomáticos, particularmente entre as mulheres pós-menopáusicas. Os autores apresentam um estudo prospectivo referente aos 64 doentes operados por HPT1, numa Unidade de Cirurgia Endócrina, entre Fevereiro de 2002 e Dezembro de 2006. A idade média foi de 56 anos, com predomínio do sexo feminino (56/8). Da forma de apresentação salientam-se 26 achados (14 laboratoriais, 9 imagiológicos e 3 operatórios, embora quase todos os doentes apresentassem sintomas). Cinquenta e dois doentes tinham queixas ósteo-articulares, 35 HTA, 30 sintomas psiquiátricos e 28 litíase renal. O diagnóstico foi efectuado 18 vezes pelo endocrinologista, 16 pelo cirurgião, 9 pelo nefrologista, 9 pelo reumatologista, 8 pelo internista, 3 pelo clínico geral e 1 pelo dermatologista. A mediana do cálcio sérico foi de 11,0 mg/dl e a da PTHi foi de 172,4 pg/dl. As paratireóides removidas mediam 19 mm e pesavam 2,23 g, em média. Nesta série verificamos um grande número de achados como forma de apresentação e de lesões avançadas na altura do diagnóstico. A maior sensibilização de todos os clínicos para este tipo de patologia e a determinação de rotina do cálcio sérico, será com certeza a melhor forma de se efectuar o diagnóstico precoce do HPT1 e diminuir consequentemente a incidência observada de lesões dos orgãos-alvo. 

Downloads

Dados de Download não estão ainda disponíveis.
Publicado
2008-03-28
Como Citar
COSTA, João Capela et al. Hiperparatireoidismo – um diagnóstico não pensado. Revista Portuguesa de Cirurgia, [S.l.], n. 4, p. 23-30, mar. 2008. ISSN 2183-1165. Disponível em: <https://revista.spcir.com/index.php/spcir/article/view/260>. Acesso em: 08 feb. 2023.
Secção
Artigos Originais