ESTADO NUTRICIONAL E FATORES ASSOCIADOS À FORÇA DE PREENSÃO MANUAL EM IDOSOS CANDIDATOS À CIRURGIA

  • Aline Araújo Nutricionista, Especialista em Nutrição Clínica, Hospital dos Servidores do Estado de Pernambuco, Recife, Pernambuco, Brasil http://orcid.org/0000-0003-2786-3642
  • Laura Silva Nutricionista, Mestre em Nutrição, Hospital dos Servidores do Estado de Pernambuco, Recife, Pernambuco, Brasil http://orcid.org/0000-0002-6893-9781
  • Maria Goretti Burgos Docente, Pós Doutorado em Nutrição Clínica, Departamento de Nutrição do Centro de Ciências da Saúde da Universidade Federal de Pernambuco, Recife, Pernambuco, Brasil http://orcid.org/0000-0003-4980-5822

Resumo





Introdução: a avaliação nutricional em idosos cirúrgicos é importante para identificar indivíduos com risco de complicações cirúrgicas e intervir em momento oportuno.


Objetivo: avaliar o estado nutricional e fatores associados à força de preensão manual de idosos pré-cirúrgicos.


Métodos: estudo transversal, com idosos candidatos a cirurgias eletivas, em hospital terciário do Estado de Pernambuco, Brasil. Foram coletadas variáveis sociodemográficas, clínicas, nutricionais e prática de atividade física. Para avaliação do risco nutricional foi realizado a NRS-2002; para diagnóstico nutricional foram coletados: índice de massa corporal, percentual de perda ponderal, circunferência do braço e da panturrilha, e para avaliar a força muscular foi realizada a força de preensão manual.


Resultados: Foram estudados 105 pacientes, sendo 52,4% mulheres e 80% com doenças benignas. O diagnóstico de eutrofia, segundo o índice de massa corporal, circunferência do braço e circunferência da panturrilha foi prevalente em 44,8%, 60% e 66,7% dos idosos, respectivamente. A força de preensão manual esteve adequada em 82,9%, e menores valores foram associados à idade avançada (p=0,039), sexo feminino (p<0,001), estar solteiro ou viúvo (p<0,001), sedentarismo (p=0,001), risco nutricional (p=0,038) e desnutrição pela circunferência da panturrilha (p=0,046). O tempo de jejum pré-operatório foi 11,96 ± 2,65 horas e no pós-operatório 4,73 ± 6,29 horas. O desfecho clínico prevalente foi alta hospitalar (99%), com mortalidade ocorrendo em um paciente. O tempo de internamento foi de 1-2 dias em 76,2%.


Conclusões: houve baixa frequência de risco nutricional e desnutrição. O risco nutricional e a desnutrição segundo a circunferência da panturrilha foram relacionados a menores valores de força de preensão manual, além da idade avançada, estar solteiro ou viúvo e sedentarismo, havendo uma associação significativa entre a força muscular reduzida e estas condições. Doenças malignas e cirurgias de grande porte foram associadas a desfecho clínico desfavorável, maior tempo de internamento e presença de risco nutricional.





Downloads

Dados de Download não estão ainda disponíveis.

Referências

1. Dupuis M, Kuczewski E, Villeneuve L, Bin-Dorel S, Falandry C, Gilbert T, Passot G, Glehen O, Bonnefoy M. Age Nutrition Chirurgic (ANC) study: impact of a geriatric intervention on the screening and management of under nutrition in elderly patients operated on for colon cancer, a stepped wedge controlled trial. BMC Geriatr. 2017; 17(1):10. https://doi.org/10.1186/s12877-016-0402-3.

2. Lucchesi FA, Gadelha PCFP. Estado nutricional e avaliação do tempo de jejum perioperatório de pacientes submetidos à cirurgias eletivas e de emergência em um hospital de referência. Rev Col Bras Cir. 2019; 46(4). http://dx.doi.org/10.1590/0100-6991e-20192222.

3. Gillis C, Carli F. Promoting perioperative metabolic and nutritional care. Anesthesiology. 2015; 123(6):1455-72. https://doi.org/ 10.1097/ALN.0000000000000795.

4. Aguilar-Nascimento JE, Salomão AB, Waitzberg DL, Dock-Nascimento DB, Correa MITD, Campos ACL, Corsi PR, Filho PEP, Caporossi C. Diretriz ACERTO de intervenções nutricionais no perioperatório em cirurgia geral eletiva. Rev Col Bras Cir. 2017; 44(6):633-648. http://dx.doi.org/10.1590/0100-69912017006003.

5. Santos HVD, Araujo CMS. Estado nutricional pré – operatório e incidência de complicações cirúrgicas em pacientes idosos do Estado de Pernambuco (Brasil) submetidos a cirurgias gastrointestinais. Nutr Clín Diet Hosp. 2014; 34(1):41-49. http://dx.doi.org/ 10.12873/341santos

6. Carvalho, ESV, Leão ACM, Bergmann A. Funcionalidade de pacientes com neoplasia gastrointestinal alta submetidos ao tratamento cirúrgico em fase hospitalar. ABCD Arq Bras Cir Dig. 2018; 31(1):1353. http://dx.doi.org/10.1590/0102-672020180001e1353

7. Martin FG, Nebuloni CC, Najas MS. Correlação entre estado nutricional e força de preensão palmar em idosos. Rev Bras Geriatr Gerontol. 2012; 15(3):493-504. https://doi.org/10.1590/S1809-98232012000300010

8. Lenardt MH, Carneiro NHK, Betiolli SE, Binotto MA, Ribeiro DKMN, Teixeira FFR. Fatores associados à força de preensão manual diminuída em idosos. Esc Anna Nery. 2016;20(4):2016-82. https://doi.org/10.5935/1414-8145.20160082.

9. Silveira TMG, Sousa JB, Stringhini MLF, Freitas ATVS, Melo PG. Avaliação nutricional e força de aperto de mão de candidatos à cirurgia do trato gastrointestinal. ABCD Arq Bras Cir Dig. 2014;27(2):104-108. https://doi.org/10.1590/S0102-67202014000200005.

10. Limberger VR, Pastore CA, Abib RT. Associação entre dinamometria manual, estado nutricional e complicações pós-operatórias em pacientes oncológicos. Rev Bras Cancerol. 2014; 60(2):135-141. https://doi.org/10.32635/2176-9745.RBC.2014v60n2.479.

11. Reis CB, Jesus RS, Silva CSO, Pinho L. Condições de saúde de idosos jovens e velhos. Rev Rene. 2016 jan-fev; 17(1):120-7.

12. Kondrup J,Allison SP; Elia M, Vellas B, Plauth M. ESPEN Guidelines for Nutrition Screening 2002. Clin Nutr. 2003; 22(4):415-421.

13. Lohman TG, Roche AF, Martorell R. Antropometric standardization reference manual. Abridged Edition. Illinois: Human Kinetics Books; 1988.

14. Blackburn GL, Thornton PA. Nutritional assessment of the hospitalized patient. Med Clin North Am. 1979; 63(5):11103-15.

15. Chumlea WC, Guo SS, Steinbaugh ML. Prediction of stature from knee height for black and white adults and children with application to mobility-impaired or handicapped persons. J Am Diet Assoc. 1994; 94(12):1385-8.

16. Lipschitz DA. Screening for nutritional status in the elderly. Prim Car. 1994; 21(2): 55-67.

17. Kuczmarski MF, Kuczarisk RJ, Najjar M. Descriptive anthropometric reference data for older Americans. J Am Diet Assoc 2000; 100:59-66.

18. Pagotto V, Santos KF, Malaquias SG, Bachion MM, Silveira EA. Calf circumference: clinical validation for evaluation of muscle mass in the elderly. Rev Bras Enferm [Internet]. 2018;71(2):322-8. https://doi.org/10.1590/0034-7167-2017-0121

19. Fess EE. Grip strength. In: Casanova JS. Clinical Assessment Recommendations. 2nd ed. Chicago: American Society of Hand Therapists, 1992:41-45.

20. Mendes J, Azevedo A, Amaral TF. Força de preensão da mão – quantificação, determinantes e utilidade clínica. Arq Med. 2013;27(3):115-120.

21. Cruz-Jentoft AJ, Bahat G, Bauer J, Boirie Y, Bruyère O, et al. Sarcopenia: revised European consensus on definition and diagnosis. Age ageing. 2019; 48(1):16-31. https://doi.org/10.1093/ageing/afy169.

22. Dias CA, Burgos MGPA. Diagnóstico nutricional de pacientes cirúrgicos. ABCD Arq Bras Cir Dig. 2009;22(1):2-6. https://doi.org/10.1590/S0102-67202009000100002

23. Waitzberg DL, Caiaffa WT, Correia ITD. Hospital malnutrition: the Brazilian national survey (IBRANUTRI): a study of 4000 patients. Nutr. 2001; 17(7-8):573-80. https://doi.org/10.1016/s0899-9007(01)00573-1.

24. Soares BLM, Burgos MGPA. Nutritional risk among surgery patients and associations with hospital stay and postoperative complications. Nutr Hosp. 2014;30:636-642. . https://doi.org/10.3305/nh.2014.30.3.7633.

25. Bazzi NB, Leal V, Lira FHJ, Santos JM, Ferreira MG, Zeni, LAZR. Estado nutricional e tempo de jejum em pacientes submetidos a cirurgias colorretais eletivas. Nutr Clín Diet Hosp. 2016; 36(2):103-110.

26. Martinez BP, Ramos IR, Oliveira QC, Santos RA, Marques MD, Júnior LAF, Camelier FWR, Camelier AA. Existe associação entre massa e força muscular esquelética em idosos hospitalizados? Rev Bras Geriatr Gerontol. 2016; 19(2):257-264. https://doi.org/10.1590/1809-98232016019.140228

27. Peixoto LG, Barbosa CD, Nahas PC, Rossato LT, Oliveira ER. A circunferência da panturrilha está associada com a massa muscular de indivíduos hospitalizados. Rev Bras Nutr Clin. 2016; 31(2):167-71.

28. Falsarella GR, Gasparotto LPR, Barcelos CC, Coimbra IB, Moretto MC, Pascoa MA, Ferreira TCBR, Coimbra AMV. Body composition as a frailty marker for the elderly community. Clin Interv Aging. 2015; 10: 1661–1667. https://doi.org/10.1590/10.2147/CIA.S84632.

29. Mattioli RA, Cavalli AS, Ribeiro JAB, Silva MC. Associação entre força de preensão manual e atividade física em idosos hipertensos. Rev Bras Geriatr Gerontol. 2015; 18(4):881-891. https://doi.org/10.1590/1809-9823.2015.14178.

30. Silva NA, Pedraza DF, Menezes TN. Desempenho funcional e sua associação com variáveis antropométricas e de composição corporal em idosos. Ciênc Saúde Coletiva [online]. 2015; 20(12):3723-3732. https://doi.org/10.1590/1413-812320152012.01822015.

31. Aguilar-Nascimento JE, Dias ALA, Dock-Nascimento DB, Correia MITD, Campos ACL, Filho PEP, Oliveira SS. Actual preoperative fasting time in Brazilian hospitals: the BIGFAST multicenter study. Ther Clin Risk Manag. 2014; 10:107–112. https://doi.org/10.2147/TCRM.S56255
Publicado
2022-03-13
Como Citar
ARAÚJO, Aline; SILVA, Laura; BURGOS, Maria Goretti. ESTADO NUTRICIONAL E FATORES ASSOCIADOS À FORÇA DE PREENSÃO MANUAL EM IDOSOS CANDIDATOS À CIRURGIA. Revista Portuguesa de Cirurgia, [S.l.], n. 52, p. 1-12, mar. 2022. ISSN 2183-1165. Disponível em: <https://revista.spcir.com/index.php/spcir/article/view/857>. Acesso em: 18 aug. 2022. doi: https://doi.org/10.34635/rpc.857.
Secção
Artigos Originais