ÁLVARO MANUEL GUIMARÃES E SOUSA, O PIONEIRO DA CIRURGIA PLÁSTICA EM PORTUGAL

Resumo

Introdução: Álvaro Guimarães e Sousa (nascido em 1923) foi o pioneiro da Cirurgia Plástica (CP) em Portugal. Debateu-se para que esta fosse considerada uma especialidade distinta da Cirurgia Geral. O objetivo desta dissertação é clarificar o modo como a CP surgiu no nosso país e, em simultâneo, enaltecer o Cirurgião que foi a sua força motriz.


Material e Métodos: A pesquisa bibliográfica foi fundamentada em documentos na sua posse, no livro que publicou, nos três primeiros Livros de Actas da Sociedade Portuguesa de Cirurgia Plástica Reconstrutiva e Estética (SPCPRE) e em entrevistas realizadas ao próprio. Efetuou-se, ainda, o registo fotográfico e o inventário dos livros que faziam parte da sua Biblioteca Privada de CP, assim como dos seus instrumentos cirúrgicos.


Resultados: Após especialização em CP em Oxford, em 1964, consegue a criação da especialidade em Portugal. Trabalhou como diretor do primeiro Serviço de CPR, que ele próprio organizou no Hospital Geral de Santo António (HGSA) e, ulteriormente, no Hospital Rodrigues Semide (HRS), ambos no Porto. Esteve na linha da frente do planeamento e operacionalização do projeto do Hospital da Prelada (HP), Porto, em particular da Unidade de Queimados.


Discussão: O seu percurso fez-se de desafios ultrapassados. Foram eles a criação da CPR como especialidade médica, a criação do primeiro serviço, a consecução do projeto do HP e da primeira Unidade de Queimados em Portugal.


Conclusão: Álvaro Guimarães e Sousa foi o fundador do primeiro serviço da especialidade e da primeira Unidade de Queimados no nosso país. Esta última iniciativa, nunca chegou a ver reconhecida pelos seus pares.

Downloads

Dados de Download não estão ainda disponíveis.

Referências

1. Tolhurst D. Thomas Pomfret Kilner (1890–1964). Pioneers in Plastic Surgery. Springer, Cham. 2015; p.81-86.

2. Sousa AMG. História da Cirurgia Plástica e Reconstrutiva no Hospital de Santo António. Arquivos de Medicina, Faculdade de Medicina da Universidade do Porto. 2003.

3. Relatório e Contas – Exercício de 1963. Ordem dos Médicos – Conselho Geral. Tipografia e Encadernação Domingos de Oliveira. 1964.

4. Stein HA. The way I saw it: Memoirs of na Ophtalmologist. AuthorHouse. 2013; p.59-60.

5. Poole MD. A short history of the Oxford Plastic Surgery Unit. British Journal of Plastic Surgery. 1989; 42: 349-352.

6. Wallace AB. The first twenty-one years: the "British Journal of Plastic Surgery" comes of age. British Journal of Plastic Surgery. 1968; 21(1):1-5.

7. Tempest MN. History of the British Association of Plastic Surgery. British Journal of Plastic Surgery. 1998; 51: 154-166.

8. Sociedade Portuguesa de Cirurgia Plástica Reconstrutiva e Estética. Livro de Actas n.º 1 (1961-1972).

9. Sociedade Portuguesa de Cirurgia Plástica Reconstrutiva e Estética. Livro de Actas n.º 2 (1974-1981).

10. Sociedade Portuguesa de Cirurgia Plástica Reconstrutiva e Estética. Livro de Actas n.º 3 (1984-1994).

11. Coimbra A. A Modernização da Medicina Portuense na Primeira Metade do Século XX (cont.). Nortemédico, Revista da Secção Regional do Norte da Ordem dos Médicos. 2010; 2: 27-28.

12. Hospital da Prelada - Uma História de Sucesso. Santa Casa de Misericórdia do Porto. 2018.

13. Decreto n.º46059. Diário do Governo n.º 282/1964, Série I de 1964-12-02. Ministério das Corporações e Previdência Social. 1964.

14. Livro dos Novos Quintanistas – Medicina V Ano, 1946-1947. Faculdade de Medicina do Porto. 1946.

15. Wallace AB. History and Evolution of Plastic Surgery. Res Medica. 1965; 4(4): 7-10.

16. repositorio-tematico.up.pt [homepage na Internet]. Repositório Temático da Universidade do Porto. [consultado 2019 05 Dez]. Disponível em: https://repositorio-tematico.up.pt/handle/10405/31383.
Publicado
2022-12-09
Como Citar
COSTA, Patrícia; FERRAZ, Amélia. ÁLVARO MANUEL GUIMARÃES E SOUSA, O PIONEIRO DA CIRURGIA PLÁSTICA EM PORTUGAL. Revista Portuguesa de Cirurgia, [S.l.], n. 53, p. 9-22, dec. 2022. ISSN 2183-1165. Disponível em: <https://revista.spcir.com/index.php/spcir/article/view/812>. Acesso em: 08 feb. 2023. doi: https://doi.org/10.34635/rpc.812.
Secção
Artigos Originais