CATÉTERES VENOSOS CENTRAIS TOTALMENTE IMPLANTÁVEIS EM ONCOLOGIA: ANÁLISE RETROSPECTIVA DE 652 DOENTES

  • Filipa Ferreira da Silva Department of Oncology, Hospital da Luz, Lisboa, Portugal
  • Vanessa Novais de Carvalho Department of Internal Medicine, Hospital da Luz, Lisboa, Portugal
  • Pedro Moraes Sarmento Department of Internal Medicine, Hospital da Luz, Lisboa, Portugal
  • Mónica Nave Department of Oncology, Hospital da Luz, Lisboa, Portugal
  • José Luís Passos-Coelho Department of Oncology, Hospital da Luz, Lisboa, Portugal

Resumo

Introdução: A presença de um acesso venoso adequado é essencial para o tratamento de doentes com cancro. A inserção de catéteres venosos centrais totalmente implantáveis (CVCTI) permite uma administração segura de quimioterapia, não sendo no entanto, isenta de complicações. O nosso objetivo é analisar a experiência do nosso centro no que respeita a utilização de CVCTI.


Materiais e Métodos: Revisão dos registos médicos eletrónicos de todos os doentes com cancro que colocaram um CVCTI no Hospital da Luz, no período entre 1 de Janeiro de 2008 a 31 de Dezembro de 2014.


Resultados: Analisaram-se retrospetivamente dados de 652 doentes com cancro. A incidência global de complicações foi 14.1% (91), sendo apenas 0.9% (6) complicações precoces (antes da primeira utilização do CVCTI). As complicações trombóticas (30, 4.5%) e infecciosas (cutâneas e associadas ao CVCTI, 24, 3.5%) foram as mais frequentes, seguindo-se a exteriorização (13, 1.9%) e disfunção do catéter (11, 1.6%). Removeram-se 155 CVCTI, a maioria (95, 61.3%) após o fim do tratamento, e os restantes devido a complicações (60; 38.7%).


Discussão: A taxa global de complicações foi de encontro ao esperado, havendo no entanto um baixo número de complicações precoces e nenhuma complicação potencialmente fatal associada ao procedimento foi identificada. Ao contrário do expectável as complicações trombóticas foram as mais frequentes, seguindo-se as infecciosas.


Conclusões: A inserção de CVCTI em doentes com cancro é um procedimento seguro, com uma taxa baixa de complicações sem nenhum evento fatal identificado neste estudo.


 

Downloads

Dados de Download não estão ainda disponíveis.

Referências

1. Keum DY, Kim JB, Chae MC: Safety of a Totally Implantable Central Venous Port System with Percutaneous Subclavian Vein Access. Korean J Thorac Cardiovasc Surg 2013; 46:202-207.

2. Granic M, Zdravkovic D, Krstajic S, et al.: Totally implantable central venous catheters of the port-a-cath type: complications due to its use in the treatment of cancer patients. JBUON 2014; 19: 842-846.

3. Granziera E, Scarpa M, Ciccarese A, et al.: Totally implantable venous access devices: retrospective analysis of different insertion techniques and predictors of complications in 796 devices implanted in a single institution. BMC Surgery 2014;14:27.

4. An H, Ryu CG, Jung EJ, et al.: Insertion of Totally Implantable Central Venous Access Devices by Surgeons. Ann Coloproctol 2015; 31:63-67.

5. Niederhuber JE, Ensminger W, Gyves JW, et al.: Totally implanted venous and arterial access system to replace external catheters in cancer treatment. Surgery 1982; 92:706–712.

6. Schiffer CA, Mangu PB, Wade JC, et al.: Central Venous Catheter Care for the Patient With Cancer: American Society of Clinical Oncology Clinical Practice Guideline. J Clin Oncol 2013; 31:1357-1370

7. Gurkan S, Seber S, Gur O, et al.: Retrospective evaluation of totally implantable venous access port devices: Early and late complications. JBUON 2015; 20: 338-345.

8. Barbetakis N, Asteriou C, Kleontas A, et al.: Totally Implantable Central Venous Access Ports. Analysis of 700 Cases. Journal of Surgical Oncology 2011; 104:654–656.

9. Delluc A, Le Gal G, Scarvelis D, et al.: Outcome of central venous catheter associated upper extremity deep vein thrombosis in cancer patients. Thrombosis Research 2015; 135 298–302

10. National Comprehensive Cancer Network. Cancer-Associated Venous Thromboembolic Disease. Version 1.2016. https://www.nccn.org/professionals/physician_gls/pdf/vte.pdf. Accessed December 2017.

11. Oliveira E, Reis MA, Avelar TM, et al.: Totally implantable central venous catheters for chemotherapy: experience with 793 patients. Rev. Col. Bras. Cir. 2013; 40: 186-190.
Publicado
2020-07-02
Como Citar
FERREIRA DA SILVA, Filipa et al. CATÉTERES VENOSOS CENTRAIS TOTALMENTE IMPLANTÁVEIS EM ONCOLOGIA: ANÁLISE RETROSPECTIVA DE 652 DOENTES. Revista Portuguesa de Cirurgia, [S.l.], n. 47, p. 41-47, july 2020. ISSN 2183-1165. Disponível em: <https://revista.spcir.com/index.php/spcir/article/view/726>. Acesso em: 28 oct. 2020. doi: https://doi.org/10.34635/rpc.726.
Secção
Artigos Originais