O que pensam os Internos de Cirurgia Geral do seu Internato? Os resultados portugueses do International Surgical Residents Study

  • Hugo Miguel T. F. Santos Sousa Assistente Hospitalar Serviço de Cirurgia do Centro Hospitalar São João E.P.E. Faculdade de Medicina da Universidade do Porto
  • Tiago Q. B. Ribeirinho Machado Assistente Hospitalar Serviço de Cirurgia do Centro Hospitalar São João E.P.E. Faculdade de Medicina da Universidade do Porto
  • Attilla Dubecz Assistente Hospitalar Graduado Klinik für Allgemein-, Viszeral- und Thoraxchirurgie, Klinikum Nürnberg Nord
  • Laura E. Ribeiro Barbosa Assistente Hospitalar Graduada Serviço de Cirurgia do Centro Hospitalar São João E.P.E. Faculdade de Medicina da Universidade do Porto
  • José Eduardo F. Costa Maia Assistente Graduado Sénior (Director) Serviço de Cirurgia do Centro Hospitalar São João E.P.E. Faculdade de Medicina da Universidade do Porto

Resumo

Introdução: O presente estudo, International Surgical Residents Study, pretendeu avaliar o grau de satisfação dos internos de cirurgia geral relativamente ao seu internato, em diferentes países. São apresentados os resultados portugueses do referido estudo. Material e métodos: Num período de 3 meses (Abril a Junho de 2011), foi realizado um questionário em inglês, confidencial e anónimo, preenchido online, com 41 itens classificados numa escala de 5 graus. Foi realizada a análise univariada de acordo com o sexo, o ano de internato e o tipo de hospital (universitário vs comunitário). Resultados: Neste período foram preenchidos 40 questionários. Relativamente aos internos participantes neste estudo, 22 (55%) eram do sexo masculino e 18 (45%) do feminino, com uma idade média de 28,98 ± 2,68 anos. Em 52% dos casos os internos pertenciam a um hospital comunitário. A maioria (64,1%) dos internos apresenta um elevado nível de satisfação com o internato em Cirurgia Geral, no entanto 22,5% dos internos já consideraram deixar o internato de Cirurgia Geral. Os internos demonstram preocupação relativamente ao apoio institucional e às relações interpessoais, com 17,5% dos internos a acharem que não são respeitados pelos especialistas. São fontes de stress e de preocupação entre os internos, o número de horas e o stress no trabalho, a apreensão relativamente às suas capacidades clínicas, e a preocupação em causar mal aos doentes, em 45% dos casos devido à sobrecarga de trabalho. O gosto em operar e de tratar os doentes foram os principais motivos para escolha do internato em Cirurgia Geral, com apenas 12,5% dos internos a escolherem devido à expectativa de uma boa compensação económica. No que diz respeito às perspectivas futuras da Cirurgia Geral, a maioria demonstra preocupações com os aspectos económicos e com possibilidade de outras especialidades realizarem procedimentos da Cirurgia Geral. Na análise univariada de acordo o sexo verificaram-se diferenças nos seguintes itens: a opinião do interno tem importância (p=0,003), a influência da expectativa de uma boa compensação económica na escolha da especialidade (p=0,029). Na análise de acordo com o ano de internato, observaram-se diferenças nos seguintes aspectos: a existência de apoio institucional para os internos em dificuldades (p=0,046), já consideraram abandonar o internato de Cirurgia Geral (p=0,045), preocupação em causar mal aos doentes devido à sobrecarga de trabalho (p=0,011), descontentamento com a personalidade necessária para se tornar um bom cirurgião (p=0,024), preocupação com o facto dos especialistas pensarem mal do interno se este pedir ajuda na orientação de um doente (p=0,026), preocupação em ficar mal visto perante os internos mais velhos (p=0,039), queda ao longo do internato nas suas expectativas relativamente ao dinheiro que vão ganhar quando concluírem o mesmo (p=0,032). Na análise univariada de acordo com o tipo de hospital, verificaram-se diferenças nos seguintes itens: não se sentirem respeitados pelos especialistas (p=0,039), a influência da expectativa de uma boa compensação económica na escolha da especialidade (p=0,029). Conclusões: As atitudes, experiências e perspectivas dos internos de Cirurgia Geral relativamente ao seu Internato reflectem quer níveis elevados de satisfação quer fonte de apreensão. Estes factores variam de acordo com o sexo, ano de internato e tipo de hospital.

Downloads

Dados de Download não estão ainda disponíveis.

Referências

Bell RH, Jr., Banker MB, Rhodes RS, Biester TW, Lewis FR. Graduate medical education in surgery in the United States. Surg Clin North Am 2007;87:811-23, v-vi.

Longo WE. Attrition: our biggest continuing challenge. Am J Surg 2007;194:567-75.

Neumayer L, Kaiser S, Anderson K, et al. Perceptions of women medical students and their influence on career choice. Am J Surg 2002;183:146-50.

Stabile BE. The surgeon: a changing profile. Arch Surg 2008;143:827-31.

Bland KI, Isaacs G. Contemporary trends in student selection of medical specialties: the potential impact on general surgery. Arch Surg 2002;137:259-67.

Callcut R, Snow M, Lewis B, Chen H. Do the best students go into general surgery? J Surg Res 2003;115:69-73.

Wendel TM, Godellas CV, Prinz RA. Are there gender differences in choosing a surgical career? Surgery 2003;134:591-6; discussion 6-8.

Herbella FA, Fuziy RA, Takassi GF, Dubecz A, Del Grande JC. Evaluation of trainning and professional expectations of surgery residents. Rev Col Bras Cir 2011;38:280-4.

Dodson TF, Webb AL. Why do residents leave general surgery? The hidden problem in today’s programs. Curr Surg 2005;62:128-31.

Everett CB, Helmer SD, Osland JS, Smith RS. General surgery resident attrition and the 80-hour workweek. Am J Surg 2007;194:751-6; discussion 6-7.

Baxter N, Cohen R, McLeod R. The impact of gender on the choice of surgery as a career. Am J Surg 1996;172:373-6.

Dorsey ER, Jarjoura D, Rutecki GW. Influence of controllable lifestyle on recent trends in specialty choice by US medical students. Jama 2003;290:1173-8.

Gelfand DV, Podnos YD, Wilson SE, Cooke J, Williams RA. Choosing general surgery: insights into career choices of current medical students. Arch Surg 2002;137:941-5; discussion 5-7.

Lind DS, Cendan JC. Two decades of student career choice at the University of Florida: increasingly a lifestyle decision. Am Surg 2003;69:53-5.

Schwartz RW, Jarecky RK, Strodel WE, Haley JV, Young B, Griffen WO, Jr. Controllable lifestyle: a new factor in career choice by medical students. Acad Med 1989;64:606-9.

Fischer JE. The impending disappearance of the general surgeon. Jama 2007;298:2191-3.

Lynge DC, Larson EH, Thompson MJ, Rosenblatt RA, Hart LG. A longitudinal analysis of the general surgery workforce in the United States, 1981-2005. Arch Surg 2008;143:345-50; discussion 51.

Powell AC, McAneny D, Hirsch EF. Trends in general surgery workforce data. Am J Surg 2004;188:1-8.

Sheldon GF. Workforce issues in general surgery. Am Surg 2007;73:100-8.

Yeo H, Viola K, Berg D, et al. Attitudes, training experiences, and professional expectations of US general surgery residents: a national survey. Jama 2009;302:1301-8.

Saalwachter AR, Freischlag JA, Sawyer RG, Sanfey HA. The training needs and priorities of male and female surgeons and their trainees. J Am Coll Surg 2005;201:199-205.

Bell RH. Surgical council on resident education: a new organization devoted to graduate surgical education. J Am Coll Surg 2007;204:341-6.

Sachdeva AK, Bell RH, Jr., Britt LD, Tarpley JL, Blair PG, Tarpley MJ. National efforts to reform residency education in surgery. Acad Med 2007;82:1200-10.

Bell RH, Jr. Graduate education in general surgery and its related specialties and subspecialties in the United States. World J Surg 2008;32:2178-84.
Publicado
2015-12-01
Como Citar
SOUSA, Hugo Miguel T. F. Santos et al. O que pensam os Internos de Cirurgia Geral do seu Internato? Os resultados portugueses do International Surgical Residents Study. Revista Portuguesa de Cirurgia, [S.l.], n. 35, p. 13-21, dez. 2015. ISSN 2183-1165. Disponível em: <https://revista.spcir.com/index.php/spcir/article/view/549>. Acesso em: 14 nov. 2019.
Secção
Artigos Originais