Trombose Venosa Mesentérica: uma causa rara de oclusão intestinal

  • Patrícia Horta Oliveira Serviço de Cirurgia 2, Hospital de São Teotónio – Viseu - Portugal
  • A. Horta Oliveira Serviço de Cirurgia 2, Hospital de São Teotónio – Viseu - Portugal
  • Marina Costa Serviço de Imuno-hemoterapia, Hospital de São Teotónio – Viseu - Portugal
  • Américo Silva Serviço de Gastrenterologia, Hospital de São Teotónio – Viseu - Portugal

Resumo

Introdução: A trombose venosa mesentérica é uma causa rara de isquémia mesentérica, potencialmente letal. A sua apresentação é subtil e insidiosa, o que dificulta o seu diagnóstico numa fase inicial. Excepcionalmente manifesta-se com um quadro de oclusão intestinal, que se deve ao aparecimento de uma estenose isquémica, geralmente a nível do intestino delgado.

Caso clínico: O presente artigo relata um caso de trombose venosa mesentérica que se manifestou com quadro de suboclusão intestinal. A investigação realizada permitiu diagnosticar défice de proteína C. Foi necessário proceder a enterectomia segmentar para remoção de estenose intestinal, para além da terapia anticoagulante que evitou a recorrência de novos eventos trombóticos.

Conclusões: A trombose venosa mesentérica é uma manifestação rara, mas potencialmente ameaçadora da vida, de défice de proteína C. A ocorrência de trombose venosa mesentérica deve fazer suspeitar de trombofilia subjacente, especialmente se houver antecedentes pessoais ou familiares de outros eventos trombóticos. O reconhecimento atempado destas situações permite instituir medidas terapêuticas eficazes, que resultam em diminuição da morbi e mortalidade.

Palavras-chave: oclusão intestinal, trombose venosa mesentérica, défice de proteína C 

Downloads

Dados de Download não estão ainda disponíveis.
Como Citar
OLIVEIRA, Patrícia Horta et al. Trombose Venosa Mesentérica: uma causa rara de oclusão intestinal. Revista Portuguesa de Cirurgia, [S.l.], n. 22, p. 61-66, set. 2012. ISSN 2183-1165. Disponível em: <https://revista.spcir.com/index.php/spcir/article/view/39>. Acesso em: 28 maio 2020.
Secção
Caso Clínico